terça-feira, 13 de novembro de 2007

Globalização e a fé

A globalização é um dado adquirido cujas tendências se alastram rapidamente, tal se desenvolvem as tecnologias e a ciência, os meios de comunicação permitem transmissões quase instantâneas de um lado do globo até ao outro, em poucas horas se muda de continente, os mercados económicos extravasam todas as fronteiras dos Estados e homogeneízam as culturas, dentro de todo estes processos conclui-se que a aldeia global é cada vez mais "pequena", estamos todos mais perto uns dos outros, quer se disso se observem contextos positivos ou negativos. Se economicamente os interesses ultrapassam todos os interesses humanitários e políticos, relações entre os gigantes informáticos americanos e o governo chinês entendem-se às mil maravilhas, interesses comuns passam por cima das mais afincadas quezilas políticas, o mesmo não se pode dizer da fé.

As cortinas de ferro feitas de crentes moderados que aos poucos conseguiram definir mentiras como a privacidade da fé e dos propagadores de teologia que debitam mentira e ódio impunemente, criaram as desconexões totais com o mundo real e tornaram a globalização num perigo de proporções hediondas. A proximidade entre culturas com tais cortinas a impedirem constantemente a revolução de ideias e o diálogo racional sobre as mais puras irracionalidades tornou os conflitos sociais em banhos de sangue consecutivos quando as irrealidades de uns chocam completamente com as irrealidades dos outros.

O mundo islâmico parecia muito longe das vivências dos povos "civilizados", como que num mundo longínquo onde não existiam grandes preocupações. As distâncias e as dificuldades de comunicação deixaram esquecer que o irracionalismo da fé pode trazer perigos para aqueles que muito confortavelmente se sentem protegidos das crenças diferentes das suas. Pois o tempo de lutar contra a irracionalidade aperta, os resultados pioram de dia para dia, onde a tecnologia e a ciência são desvirtuados pelas mais dementes consciências teocratas. Se as cortinas de ferro que envolvem os diálogos e racionalismos para com as irracionalidades da fé subsistem, a proximidade cada vez maior e o poderio tecnológico bélico cada vez mais horripilante entram em choque contra a própria existência Humana.

Mentes alucinadas com as virgens no Paraíso não possuem problemas em matar quantas pessoas conseguirem com os seus suicídios, a vida que possuem na Terra é apenas provisória, uma forma de fornecerem aos deuses as atrocidades e o sangue que lhes é incutido pelas teologias, pela África Subsariana milhares morrem por dia quando o centro de terrorismo católico, o Vaticano, sentencia o preservativo como criminoso e debita as mentiras possíveis para que os seus irracionalismos se perpetuem, alegando que o vírus atravessa os poros do preservativo e demências idênticas. Arredados das concretudes das coisas sentenciam à morte centenas de pessoas por dia, onde o único crime delas foi terem nascido no sítio errado perante irracionalidades demenciais perante as quais ninguém as conseguiu proteger.

Se a Igreja Católica e a Espanha conseguiram chacinar milhões de Aztecas há 500 anos atrás apenas com armas medievais, muita fé e vontade de exercer crimes contra a Humanidade, não contando com outros massacres, neste momento existe tecnologia para destruir a Terra várias vezes, e muito dos armamentos estão na posse de teocracias. A fé cada vez mais envenena o Mundo, repele os Direitos Humanos e atenta contra a sobrevivência Humana.

Também publicado em LiVerdades

fonte: http://www.ateismo.net/diario/

Um comentário:

CresceNet disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.